quarta-feira, 12 de abril de 2017

Por que a esquerda adora muçulmanos?



"Nesse podcast, é explicado os aspectos políticos, ideológicos, mas mais do que tudo, filosóficos, metafísicos, histórico, culturais e religiosos de uma união que confunde o mundo: da esquerda atéia, pós-marxista e positivista, e da religião monoteísta mais fechada do planeta, o islamismo. Afinal, por que a esquerda ama muçulmanos?

De "religião é o ópio do povo" ao "refugees welcome", a visão da esquerda sobre religião, sobretudo a mais fundamentalista e intolerante de todas, foi mudando da água para o vinho. Mas sem o milagre de Jesus Cristo: trata-se apenas de aceitar qualquer religião e modelo de sociedade como "válido", que merece "respeito", exceto aquele único no qual se está inserido, e que permite a liberdade secular de inventar idéias como o multiculturalismo: a sociedade judaico-cristã.

Mas será que a aplicação da dicotomia explorador-explorado ao contexto geopolítico, que tornaria os islâmicos, quanto mais fanáticos, mais coitadinhos e mais merecedores do nosso beneplácito, é suficiente para explicar os laços atuais entre esquerda e islamismo?

Nesse episódio, retomaremos alguns temas que já pincelamos aqui no Guten Morgen, como a questão da soberania de Israel, o país mais atacado pelo Ocidente e o primeiro a ter uma religião revelada, ou a noção de um Deus que é Verbo e encarnou, em contraposição a um Deus que é pura potência e vontade. E como enxergar, pela luta de classes como motor da história, as invasões islâmicas na Europa, como na Península Ibérica, nos Portões de Viena ou na Romênia de Vlad Tepes?

Há, na verdade, diversas questões filosóficas e metafísicas, um conflito de mentalidades que o Ocidente não consegue explicar sozinho, apenas trabalhando seus conceitos de laicidade e secularismo – que, por sinal, derivam tão somente de uma religião específica, em claro conflito justamente com o islamismo. Será que ninguém nota a insuficiência de tentar explicar o fenômeno global do momento apenas com termos como "terrorismo", "religião da paz" ou "refugiados"?


A produção é de Filipe Trielli e David Mazzuca Neto, no estúdio Panela Produtora."